Quem somos...

Sakura Centro de Terapias Para poder realizar a sua Vida, na plenitude das suas capacidades, o Ser Humano tem o direito e o dever de se cuidar e de se preservar. Para tal, os cuidados preventivos, de tratamento e manutenção, com a Saúde, revestem-se de especial atenção. Sakura surge com o intuito de lhe oferecer um vasto leque de opções terapeuticas- bem estar, prevenção e tratamento

31 de outubro de 2011


ESPELHO


Perguntaram a Mahatma Gandhi quais são os factores que destroem os seres humanos. Ele respondeu:

A Política, sem princípios;
O Prazer, sem compromisso;
A Riqueza, sem trabalho;
A Sabedoria, sem caráter;
Os negócios, sem moral;
A Ciência, sem humanidade;
A Oração, sem caridade.

A vida me ensinou que as pessoas são amigáveis, se eu sou amável,

Que as pessoas são tristes, se estou triste,
Que todos me querem, se eu os quero,
Que todos são ruins, se eu os odeio,
Que há rostos sorridentes, se eu lhes sorrio,
Que há faces amargas, se eu sou amargo,
Que o mundo está feliz, se eu estou feliz,
Que as pessoas ficam com raiva quando eu estou com raiva,
Que as pessoas são gratas, se eu sou grato.

A vida é como um espelho: se você sorri para o espelho, ele sorri de volta.

A atitude que eu tome perante a vida é a mesma que a vida vai tomar perante mim.

20 de outubro de 2011

O que realmente dá sentido á nossa Vida- 5 Novembro


O que realmente dá sentido á nossa Vida

Qual é o sentido da vida? Como posso encontrar propósito, realização e satisfação na vida?
 Terei o potencial de realizar algo de significância duradoura? 
Há tantas pessoas que jamais pararam para pensar no sentido da vida. Anos mais tarde elas olham para trás e se perguntam porque seus relacionamentos não deram certo e porque se sentem tão vazias, mesmo tendo alcançado algum objetivo anteriormente estabelecido. 
Um jogador de baseball que alcançou o hall da fama foi questionado sobre o que gostaria que lhe tivessem dito quando começou a jogar baseball. Ele respondeu: “Eu gostaria que alguém me tivesse dito que quando chegamos ao topo, não há nada lá.”
 Muitos objectivos revelam o quanto são vazios apenas depois que vários anos foram perdidos em sua busca.


Análise da importância da nossa vida, o que temos e o que somos. 
O que fizemos, o que fazemos e o que fica 







Local: Sakura Centro Terapias - Porto
Data/Horário : 5 Novembro 2011 - 15h-17h30

Contribuição: 15€


Inscrições{Informações: sakura.centroterapias@gmail.com  -   917433609 


Naikan, a palavra japonesa que significa « olhar para dentro », consiste num método de auto-reflexão estruturado, que nos auxilia a reflectir sobre a vida, a compreender as nossas relações com aqueles que assumem um papel determinante nela e a natureza fundamental da existência humana.

17 de outubro de 2011

Sete Sapatos Sujos


(…) Estamos todos nós estreando um combate interno para domesticar os nossos antigos fantasmas. Não podemos entrar na modernidade com o actual fardo de preconceitos. À porta da modernidade precisamos de nos descalçar. Eu contei sete sapatos sujos que necessitamos deixar na soleira da porta dos tempos novos. Haverá muitos. Mas eu tinha que escolher e sete é um número mágico.

Primeiro sapato: A ideia que os culpados são sempre os outros e nós somos sempre vítimas;
Segundo sapato: A ideia de que o sucesso não nasce do trabalho;
Terceiro sapato: O preconceito de quem critica, é um inimigo;
Quarto sapato: A ideia que mudar as palavras muda a realidade;
Quinto sapato: A vergonha de ser pobre e o culto das aparências;
Sexto sapato: A passividade perante a injustiça;
Sétimo sapato: A ideia de que para sermos modernos temos que imitar os outros.

(…) Mas a força de superarmos a nossa condição histórica também reside dentro de nós. (…) É por isso que vale a pena aceitarmos descalçar não só os setes mas todos os sapatos que atrasam a nossa marcha colectiva. Porque a verdade é uma: antes vale andar descalço do que tropeçar com os sapatos dos outros.


Mia Couto

12 de outubro de 2011

És uma Cenoura, um ovo ou café?


Cenoura, Ovo ou Café?

Uma filha se queixou a seu pai sobre sua vida e de como as coisas estavam tão difíceis para ela. Ela já não sabia mais o que fazer e queria desistir.


Estava cansada de lutar e combater. Parecia que assim que um problema estava resolvido um outro surgia.


Seu pai, um "chef", levou-a até a cozinha dele. Encheu três panelas com água e colocou cada uma delas em fogo alto. Logo as panelas começaram a ferver.


Em uma ele colocou cenouras, em outra colocou ovos e, na última pó de café. Deixou que tudo fervesse, sem dizer uma palavra.


A filha deu um suspiro e esperou impacientemente, imaginando o que ele estaria a fazer. Cerca de vinte minutos depois, ele apagou as bocas de gás. Pescou as cenouras e colocou-as numa tigela. Retirou os ovos e colocou-os noutra tigela. Então pegou no café com uma concha e colocou-o numa tigela.


Virando-se para ela, perguntou "Querida, o que vês?"


"Cenouras, ovos e café," respondeu.


Ele trouxe-a para mais perto e pediu-lhe para experimentar as cenouras.


Ela obedeceu e notou que as cenouras estavam macias.


Ele, então, pediu-lhe que pegasse um ovo e o partisse


Ela obedeceu e depois de retirar a casca verificou que o ovo endurecera com a fervura. Finalmente, ele pediu-lhe que tomasse um gole do café.


Ela sorriu ao provar seu aroma delicioso.


Ela perguntou humildemente: "O que isto significa, pai?"


Ele explicou que cada um deles havia enfrentado a mesma adversidade, água fervendo, mas que cada um reagira de maneira diferente.


A cenoura entrara forte, firme e inflexível. Mas depois de ter sido submetida à água a ferver, ela amolecera e se tornara frágil.


Os ovos eram frágeis. Sua casca fina havia protegido o líquido interior. Mas depois de terem sido colocados na água a ferver, seu interior se tornou mais rigido.


O pó de café, contudo, era incomparável. Depois que fora colocado na água a ferver, ele havia mudado a água.


"Qual deles és tu?" perguntou a sua filha. "Quando a adversidade bate na tua porta, como respondes? És uma cenoura, um ovo ou um pó de café?"


E tu?


És como a cenoura que parece forte, mas com a dor e a adversidade murchas e te tornas frágil e perdes a tua força?


Será que és como o ovo, que começa com um coração maleável? Tens um espírito maleável, mas depois de alguma morte, uma falência, um divórcio ou uma demissão, tu te tornaste mais difícil e dura? Tua casca parece a mesma, mas estás mais amarga e obstinada, com o coração e o espírito inflexíveis?


Ou será que és como o pó de café? Ele muda a água fervente, a coisa que está trazendo a dor, para conseguir o máximo de seu sabor, a 100 graus centígrados. Quanto mais quente estiver a água, mais gostoso se torna o café. Se és como o pó de café, quando as coisas se tornam piores, tu te tornas melhor e faz com que as coisas em torno de ti também se tornem melhores.


Como lidas com a adversidade?


És uma cenoura, um ovo ou café?

Autor desconhecido ou ignorado



11 de outubro de 2011

“Cada minuto que passa é uma chance de mudar tudo para sempre.”


Um escritor tinha o hábito de caminhar na praia todas as manhãs para refrescar as idéias e procurar inspiração para escrever à tarde.
Numa certa manhã, durante o seu passeio matinal pela praia, ele viu ao longe um jovem arremessando algo no mar. Aquilo despertou a curiosidade do escritor que resolveu ver de perto do que se tratava. Ao chegar próximo do jovem, o escritor perguntou:
- O que está a fazer?
O jovem respondeu: 
- Existem estrelas-do-mar que estão desidratadas devido ao forte calor. Como a maré está baixa, estou a atirá-las de volta ao mar para que não morram.
O escritor, com ar de desdém, disse ao jovem:
Não sei se percebeu, mas existem centenas de milhares de estrelas-do-mar espalhadas na areia desta praia que tem centenas de quilómetros de extensão. Se atirar uma ou outra estrela-do-mar de volta ao oceano, isso não vai fazer qualquer diferença no total.
Sem se perturbar, o jovem pegou uma estrela-do-mar e atirou ao mar. Olhou para o escritor e disse:
- Para esta eu fiz a diferença!
O escritor voltou para casa e naquela tarde não conseguiu escrever nada. À noite não conseguiu dormir. Na manhã seguinte estava junto ao jovem a atirar estrelas-do-mar de volta ao oceano…- Autor anónimo


-

Torna-te um lago...



O velho Mestre pediu a um jovem triste que colocasse uma mão cheia de sal em um copo de água e bebesse.
– Qual é o gosto? – perguntou o Mestre.
– Mau – disse o aprendiz.
O Mestre sorriu e pediu ao jovem que pegasse outra mão cheia de sal e levasse a um lago.
Os dois caminharam em silêncio e o jovem atirou o sal no lago, então o velho disse:
– Beba um pouco dessa água.
Enquanto a água escorria do queixo do jovem, o Mestre perguntou:
– Qual é o gosto?
– Bom! – disse o rapaz.
– Sentes o gosto do sal? – Perguntou o Mestre.
– Não – disse o jovem.
O Mestre então sentou ao lado do jovem, pegou na sua mão e disse:
– A dor na vida de uma pessoa é inevitável. Mas o sabor da dor depende de onde a colocamos. Então, quando tu sofreres, a única coisa que deves fazer é aumentar a percepção das coisas boas que tens na vida.
Deixa de ser um copo. Torna-te  num lago.


Uma Carta...



‎" A partir de um certo ponto, não há retorno. Este é o ponto que é preciso alcançar."

Estamos no ponto...





7 de outubro de 2011

Importância do Toque- 29 Outubro




Quem nunca pensou em aprender a fazer uma pequena massagem que ajude o outro a relaxar?


Objectivo: Aprender quais os benefícios/efeitos e precauções da massagem, algumas técnicas, aromaterapia
Horário: 15h-17h30
Data: 29 Outubro 2011 
Preço: 30€ por par - 20€ individual
Material Necessário: Roupa confortável (calça de desporto e t-shirt) e toalha de banho.

Local: Sakura
Zona-Porto
Inscrições-Informações: sakura.centroterapias@gmail.com  -   917433609






O toque é uma forma primária de contacto,conhecimento e comunicação.
Tocar é um modo natural de estar em contacto...O toque vai onde as palavras não alcançam.

Com o toque podemos manifestar o nosso amor,carinho,a nossa afeição. Podemos sentir a presença,o calor de outras pessoas,as energias,as vibrações.
Através dele tomamos consciência da verdadeira e real condição do nosso corpo, dos nossos músculos, das nossas tensões do dia a dia.
Sem contar outros tantos "toques" que o toque nos dá!

O toque (ou a massagem) auxilia-nos a sentir como anda a nossa engrenagem: corpo-mente-espírito, possibilitando um relaxamento completo.
A leitura do corpo e da mente, pode ser um meio para nos prevenirmos contra inúmeras doenças da actualidade e melhorar a nossa qualidade de vida!

A aplicação do toque como forma terapêutica

Quem ainda não sentiu aquela dor nos ombros que parece ser resultado de carregar o mundo ás costas?
E quem não experimentou o alívio provocado por uma massagem bem aplicada nesses músculos enrijecidos, que aos poucos vai relaxando o corpo,descontraindo a mente e tornando o mundo mais leve?
Na correria a que estamos todos submetidos, com horas a menos para actividades demais, o corpo dá sinais de que está stressado,bem como o humor,ou a falta dele.

A Massagem é bem mais do que um toque que proporciona prazer.

O termo abrange uma série de técnicas que utilizam fundamentalmente as mãos (mas também braços,cotovelos e até os pés)para aplicar diferentes tipos e intensidades de pressão sobre determinadas partes do corpo.
O efeito físico e emocional é imediato. 

O toque da massagem é um grande aliado para combater o stress aos poucos, antes que se instale na forma de doença.



Impermanência


Um famoso mestre espiritual aproximou-se do Portal principal do palácio do Rei. Nenhum dos guardas tentou pará-lo, constrangidos, enquanto ele entrou e dirigiu-se aonde o Rei em pessoa estava solenemente sentado, em seu trono.
"O que vós desejais?" perguntou o Monarca, imediatamente reconhecendo o visitante.
"Eu gostaria de um lugar para dormir aqui nesta hospedaria," replicou o professor.
"Mas aqui não é uma hospedaria, bom homem, "disse o Rei, divertido, "Este é o meu palácio."
"Posso lhe perguntar a quem pertenceu este palácio antes de vós?" perguntou o mestre.
"Meu pai. Ele está morto."

"E a quem pertenceu antes dele?"

"Meu avô," disse o Rei já bastante intrigado, "Mas ele também está morto."

"Sendo este um lugar onde pessoas vivem por um curto espaço de tempo e então partem - vós me dizeis que tal lugar NÃO É uma hospedaria?"





"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu. Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito. Não acredite em algo simplesmente porque esta escrito em seus livros religiosos. Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade. Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração. Mas depois de muita análise e observação, se você vê que algo concorda com a razão, e que conduz ao bem e beneficio de todos, aceite-o e viva-o".
Buda